"007: Sem Tempo Para Morrer" já não vai chegar aos cinemas a 19 de novembro.

Por causa da pandemia, os produtores da saga adiaram a estreia para 2 de abril de 2021 (data para a Grã-Bretanha, normalmente uma semana depois a nível internacional).

"A MGM, a Universal e os produtores Bond, Michael G. Wilson e Barbara Broccoli, anunciaram hoje que a estreia de '007: Sem Tempo Para Morrer', o 25º filme da sérue James Bond, irá ser adiada até 2 de abril para que possa ser visto pelos espectadores nos cinemas a nível mundial. Compreendemos que o adiamento será uma desilusão para os nossos fãs, mas agora aguardamos ansiosamente para partilhar '007: Sem Tempo para Morrer' no próximo ano", informou a distribuidora MGM em comunicado.

O novo adiamento faz com que o filme chegue praticamente um ano depois do que estava inicialmente previsto: a 4 de março, a a MGM foi o primeiro estúdio a perceber que o impacto da pandemia ia afetar os cinemas e passou a estreia anunciada para 10 de abril para 25 de novembro, antecipando mais tarde uma semana.

"007: Sem Tempo Para Morrer": veja o videoclip do tema de Billie Eilish para o próximo Bond
"007: Sem Tempo Para Morrer": veja o videoclip do tema de Billie Eilish para o próximo Bond
Ver artigo

Há pouco mais de 24 horas, tinha sido divulgado o videoclip do tema oficial interpretado por Billie Eilish, o que revela a rapidez com que a pandemia continua a forçar os estúdios a alterar os seus planos.

As decisões justificam-se pelo contexto económico: "007: Sem Tempo Para Morrer" custou cerca de 250 milhões de dólares, o que não inclui o marketing, e tem uma importância gigantesca para a MGM, que não possui tantos grandes franchises como outros estúdios de Hollywood.

O estúdio esperava receitas de mil milhões de dólares, o que só é possível com as salas de cinema completamente operacionais a nível global.

Porém, continuam fechadas as salas de Nova Iorque, Los Angeles e São Francisco, que representam 25% das receitas de bilheteira nos EUA e assiste-se a um preocupante ressurgimento da covid-19 em muitos países. No Reino Unido, essencial para a saga 007 e o país mais atingido da Europa, com mais de 42 mil mortes, as restrições multiplicam-se para controlar a propagação da doença, que está a infectar quase 7 mil novas pessoas por dia.

Com o adiamento de '007: Sem Tempo Para Morrer', os grandes filmes que sobrevivem em 2020 em Portugal e a nível internacional são a animação da Pixar "Soul" (19 de novembro), "Os Croods - Uma Nova Era" (3 de dezembro), "Free Guy" (10 de dezembro), "Dune" e "Morte no Nilo" (17 de dezembro) e "Mulher-Maravilha 1984" (24 de dezembro nos EUA).

A despedida (que custa a chegar) de Daniel Craig

Segundo a sinopse oficial de "007: Sem Tempo Para Morrer", no início da história James Bond (Daniel Craig) deixou o serviço ativo e está a desfrutar de uma vida tranquila na Jamaica. Mas a sua paz termina rapidamente quando o seu velho amigo Felix Leiter, da CIA (Jeffrey Wright), aparece com um pedido de ajuda.

Uma nova missão passa por resgatar um cientista raptado e torna-se muito mais traiçoeira do que o esperado, levando Bond a perseguir um misterioso vilão, Safin (Rami Malek), armado com uma nova tecnologia perigosa.

O elenco inclui ainda Ana De Armas, Christoph Waltz, Ralph Fiennes, Naomie Harris, Ben Wishaw e Rory Kinnear.

"007: Sem Tempo para Morrer" é o quinto filme de Daniel Craig como agente secreto e a sua anunciada despedida da série, após "Casino Royale" (2006), "Quantum of Solace" (2008), "Skyfall" (2012) e "Spectre" (2015).

O realizador é Cary Fukunaga (da primeira temporada de "True Detective"), que co-escreveu o argumento com Scott Z. Burns e Phoebe Waller-Bridge ("Fleabag", "Killing Eve").

VEJA O  TRAILER.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.