O texto da peça foi encomendado ao romancista Édouard Louis, que faz do teatro o lugar onde a “literatura da confrontação” melhor se exprime, explica na sua página o Teatro Nacional São João (TNSJ), onde o espetáculo será apresentado nos dias 8 e 9 de janeiro de 2021.

Nesta história de masculinidade e violência, um filho conta a biografia do pai, das turbulentas memórias de infância à sua “morte social”.

“No centro deste acutilante olhar político está aquele momento singular em que superamos a difícil afirmação de identidade no seio da família tradicional e tomamos consciência da violência que a sociedade exerce sobre ela, usurpando corpos e vidas inteiras em seu benefício. Ou de como descobrimos, por detrás da autoridade paterna, uma outra autoridade que a ultrapassa e avassala. De como podemos entrever, por entre as frinchas da política de género, os podres de todas as outras formas de dominação social e cultural”, acrescenta.

O texto "Qui a tué mon père", publicado em 2018, é um relato não cronológico de várias situações sobre a vida do autor vivendo com o seu pai.

Édouard Louis conta diferentes histórias da vida com o pai, por vezes com pormenores contraditórios: algumas cenas são violentas, outras são amorosas.

O título é uma alusão a todos aqueles que o autor considera responsáveis pela “morte” do pai, tais como políticos que aprovaram reformas com impacto sobre os pobres, nomeadamente os presidentes franceses Jacques Chirac, Nicolas Sarkozy, François Hollande e Emmanuel Mácron.

Stanislas Nordey, diretor do Teatro Nacional de Estrasburgo, é um dos criadores contemporâneos mais importantes da cena francesa, um encenador que acredita na urgência cidadã do teatro.

Nascido em 1992, em Hallencourt, Édouard Louis é visto pela crítica como um dos principais talentos emergentes da literatura francesa, tendo conquistado o Prémio Goncourt para Primeiro Romance com o autobiográfico “Acabar com Eddy Bellegueule”, editado em Portugal pela Fumo Editora, com tradução de António Guerreiro.

Em Portugal, Louis tem a totalidade da sua ficção traduzida: o ‘bestseller’ “História da Violência” e “Quem Matou o Meu Pai”, pela Elsinore.

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.