Intitulado "Family" por ter sido produzido pelo filho e pelo irmão da cantora, Ruben Azziz e Gerson Marta, o disco é uma homenagem à família – “a minha base e o meu alicerce” –, mas também uma declaração de amor à Guiné-Bissau, disse a cantora, em entrevista por telefone à agência Lusa desde Bissau.

Na capa, uma fotografia do casamento dos seus pais – “onde tudo começou” – remete para o lado mais familiar do álbum.

A história começa durante o primeiro confinamento da pandemia, quando Eneida Marta, considerada uma embaixadora da música guineense e uma cuja obra assenta nas raízes tradicionais da música africana, desafiou o filho mais novo a fazer-lhe uma canção diferente de tudo o que já tinha cantado.

Ruben Azziz apresentou-lhe então a canção Kuma, no estilo trap, um subgénero do rap com elementos da música eletrónica, que a artista temeu não conseguir cantar.

Mas a canção, que fala sobre “os sucessivos golpes de Estado na Guiné-Bissau”, saiu e teve uma boa receção no público: “As pessoas falaram muito daquele tema, não só por ser num estilo novo, também pelo próprio tema em termos de lírica”, contou a cantora, que descobriu no filho “um talento escondido bem grande”.

Azziz foi então convidado para produzir o álbum e acabou por juntar também o tio, irmão de Eneida. Dessa união saiu “uma produção em família”, gravada também “num estúdio de família em Portugal”, o que deu origem ao nome do disco.

A par da família, o sexto disco de Eneida Marta é também inspirado na Guiné-Bissau.

“A minha Terra é a minha inspiração. (…) Vou buscando sempre temas que retratam a atualidade do meu país”, contou, ressalvando, no entanto, que não canta só “a crítica negativa, mas também a construtiva”.

Enquanto Kuma é um grito de revolta perante os constantes golpes e atentados políticos sobre o povo da Guiné-Bissau – “Estamos com desgosto / Ser líder pela força / Chegou-nos / O futuro está adiado” – a canção Allan Guiné é “um grito de esperança”, disse Eneida Marta: “Esperança num país próspero (…) esperança na recuperação da nossa irmandade, da nossa harmonia”.

A cantora, com 20 anos de carreira, destaca ainda o novo single, “Fidalgo”, um tema da também cantora guineense Dulce Neves, gravado há mais de 20 anos, que “retrata muito bem aquilo que está a acontecer também na Guiné-Bissau neste momento: a falta de emprego; as mulheres na rua, com os filhos, à procura do que dar de comer aos filhos”.

“Percebi que esse tema era tão atual, apesar de ser um tema já antigo”, contou, sublinhando que o impacto que a canção teve superou “completamente” as suas expetativas: “Nunca fui parada tantas vezes na rua para me darem os parabéns pelo single e o que me marcou mais foi receber um telefonema da autora do tema às sete da manhã, completamente emocionada (…). Eu, sem palavras, só lhe respondi que quem tem de agradecer sou eu por ela existir no meu percurso”.

Para Eneida Marta, os temas Kuma, Allan Guiné ou Fidalgo são todos “um acordar de consciência para um assunto ou para outro”.

Questionada sobre que mensagem quer transmitir com o disco aos guineenses, a cantora respondeu apenas: “Amor”.

O álbum “Family” é lançado nas plataformas digitais esta segunda-feira e a edição física chegará dia 17 de outubro.

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.