Não foi só Russell Crowe que recusou entrar na trilogia "O Senhor dos Anéis", o que lhe terá custado pelo menos 100 milhões de dólares: Sean Connery ainda "perdeu" mais.

Várias histórias têm sido recordadas desde a sua morte aos 90 anos, anunciada no sábado (31), entre elas a de que que foi a primeira escolha para interpretar Gandalf no que viria a ser a trilogia "O Senhor dos Anéis" (2001-2003).

Após a sua recusa, o papel acabou eventualmente por ser oferecido a Ian McKellen, que era relativamente pouco conhecido fora da Grã-Bretanha por volta de 1999.

Ian McKellen: Gandalf

Em 2012, o ator escocês explicou ao New Zealand Herald que  achou o argumento muito confuso.

"Li o livro. Li o argumento. Vi o filme. Ainda não o percebo. Acho que o Ian McKellen é maravilhoso nele", resumiu ao jornal.

É questionável se o ator que foi James Bond e o pai de Indiana Jones, além de outros papéis memoráveis, precisaria da trilogia de Peter Jackson para ser conhecido por uma nova geração de espectadores, mas a recusa teve um grande custo: segundo notícias da época, além de 30 milhões de dólares, o estúdio ainda o tentou com 15% das receitas de bilheteiras, fazendo com o que o "prejuízo" possa ter sido de 450 milhões.

Curiosamente, Sean Connery reformou-se após a desilusão com a rodagem de "Liga de Cavalheiros Extraordinários" em 2003, o mesmo ano em que chegou aos cinemas "O Regresso do Rei", a última parte da trilogia "O Senhor dos Anéis".

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.