Barack Obama está revelar as suas preferências de 2021 em várias áreas, cumprindo o ritual que começou quando ainda era presidente dos EUA.

Após a lista dos livros, esta quinta-feira foi a vez dos filmes preferidos de 2021 e o habitual ecletismo e inclinação "artística" não vão aplacar a desconfiança dos que pensam que as escolhas do muito ocupado estadista são realmente preparadas pelos assessores.

Apenas dois dos filmes escolhidos tiveram algum impacto comercial nas bilheteiras e pela negativa, pois estão entre as desilusões do ano: a nova versão do musical "West Side Story", de Steven Spielberg, e "O Último Duelo", de Ridley Scott.

Do cinema mais independente estão "Pig - A Viagem de Rob", com Nicolas Cage, e "The Card Counter - O Jogador", de Paul Schrader e com Oscar Isaac, ambos ainda nos cinemas portugueses, além de "Old Henry", com Tim Blake Nelson.

A lista inclui "Judas e o Messias Negro", vencedor de dois Óscares, que só estreou no circuito de vídeo em Portugal; o pouco conhecido e ainda inéditos nas salas nacionais "C’mon, C’mon", de Mike Mills e com Joaquin Phoenix; e o documentário "Summer of Soul", de Questlove.

A representar o cinema internacional estão o bósnio "Quo Vadis, Aida?", de Jasmila Žbanić, recentemente eleito o Melhor Filme nos Prémios do Cinema Europeu; o japonês "Drive my Car", de Ryusuke Hamaguchi; e o norueguês "The Worst Person in the World", de Joachim Trier.

A representar as plataformas de streaming estão "The Power of the Dog", de Jane Campion, e "Passing", de Rebecca Hall (via Netflix); e "The Tragedy of MacBeth", de Joel Coen (Apple TV+).

"Cada um destes filmes conta uma história poderosa e espero que gostem tanto deles como eu", escreveu Obama nas redes sociais.

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.