De acordo com o presidente da Associação Portuguesa de Festivais de Música (Aporfest), Ricardo Bramão, a reunião está marcada para esta terça-feira e será a primeira de uma série de encontros mensais de representantes de festivais e espetáculos com a ministra da Cultura, "de preparação para o ano de 2021 de festivais, sobre regras, procedimentos, para perceber a atualidade".

Já o empresário Luís Montez, da promotora Música no Coração, afirmou que a Associação de Promotores de Espectáculos, Festivais e Eventos (APEFE) "irá apresentar um conjunto de soluções para tornar possível a retoma dos festivais".

A pandemia da COVID-19 impediu a realização de dezenas de espetáculos em Portugal em 2020 e obrigou ao adiamento de festivais e outros eventos para este ano.

Embora haja datas marcadas para vários festivais de verão, como o Rock in Rio Lisboa, o NOS Alive (Oeiras), o NOS Primavera Sound (Porto) e o MEO Sudoeste (Zambujeira do Mar), os promotores querem saber em que condições poderão realizá-los.

"É criar espaços, bolhas, livres de COVID-19, que é 'só entra quem tem vacina ou tem teste negativo', além de outras medidas: 'cashless', copos recicláveis, álcool gel a ser distribuído em mochilas. Há várias ideias [como a] colaboração com vários laboratórios, no sentido de 'quem tiver bilhete, vai ao laboratório e faz o teste'", elencou Luís Montez.

Ricardo Bramão espera que fiquem definidos os cenários em que os promotores e os festivais possam trabalhar, que haja "soluções para evitar as lotações de recinto", que se aborde a questão da devolução dos bilhetes e que haja um "alívio fiscal para os promotores" perante três anos, entre 2019 e 2021, de perdas financeiras.

"O que nós queremos é trabalhar. Obviamente gostávamos de ser compensado pelos prejuízos que tivemos no ano que passou; agora, não podemos olhar para trás... Queremos é trabalhar; mais do que subsídios e indemnizações... quando isso chegar já não existimos. Temos que arranjar soluções práticas", sublinhou Luís Montez.

O promotor considerou que a retoma dos festivais terá necessariamente de envolver a Direção-Geral de Saúde e os laboratórios existentes no país, sobretudo para uma redução do preços dos testes rápidos à COVID-19.

Fonte do Ministério da Cultura confirmou à Lusa que a reunião está marcada para as 12h00 de quarta-feira, dia 13.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.